Blog do Dr Jairo Bouer
 

28/02/2013

Solteiros morrem mais do coração

Um estudo feito na Universidade de Turku, na Finlândia, mostrou que solteiros sofrem mais ataques cardíacos e têm uma mortalidade maior associada a isso quando comparados a pessoas casadas. Foram coletados dados de 15.330 pessoas de 35 a 99 anos que sofreram eventos coronarianos agudos entre 1993 e 2002 na Finlândia. Cerca de metade dos pacientes morreu em até quatro semanas após o episódio.

Os homens solteiros de todos as faixas etárias foram de 58% a 66% mais propensos a sofrerem um ataque cardíaco quando comparados aos casados. Entre as mulheres solteiras o risco foi ainda maior: de 60% a 65% a mais do que as casadas. Independentemente do gênero, a mortalidade após o ataque cardíaco foi maior entre os solteiros. Entre os homens solteiros o risco foi de 60% a 168% maior de morrer em até 28 dias após o evento; entre as mulheres, de 71% a 175% maior do que as mulheres casadas.

Para ler mais sobre a pesquisa acesse http://cpr.sagepub.com/content/early/2013/01/29/2047487313475893.abstract.

Escrito por Jairo Bouer as 22h16

O espaço de comentários do blog do Dr. Jairo Bouer pode ser moderado. Regras de uso

Dormir bem pode melhorar memória de idosos

 

 

U

Uma pesquisa feita na Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, sugeriu que manter uma boa qualidade de sono pode reduzir a deterioração da memória típica do envelhecimento. Os cientistas mostraram que as mudanças que ocorrem no cérebro com a idade acabam prejudicando a qualidade do sono profundo. E a diminuição do sono profundo atrapalha a capacidade de a pessoa aprender e guardar memória. A partir disso, os estudiosos pretendem desenvolver formas de melhorar o sono de idosos para barrar a deterioração da memória.

O estudo contou com 36 voluntários – metade com idade por volta dos 20 anos e a outra metade com cerca de 70 anos. Foi medida a quantidade de sono profundo de cada um deles, e depois foram feitos testes de memória. Os participantes jovens conseguiram desenvolver mais sono com boa qualidade – e também tiveram melhor desempenho que os idosos no teste de memória. Ainda não é possível reestabelecer o estrago feito pela idade no cérebro, mas os cientistas esperam desenvolver técnicas para estimular mais o sono – e assim tentar preservar mais a memória.

Para ler mais sobre o estudo acesse http://www.nature.com/neuro/journal/v16/n2/full/nn.3303.html.

Escrito por Jairo Bouer as 22h13

O espaço de comentários do blog do Dr. Jairo Bouer pode ser moderado. Regras de uso

Cigarro diminui em 10 anos a expectativa de vida


Um levantamento feito por especialistas americanos e canadenses mostrou que, em média, os tabagistas morrem 10 anos mais cedo do que o restante da população. Foram analisados dados de 113.752 mulheres e 88.496 homens fumantes ou ex-fumantes com mais de 25 anos. Os resultados mostraram que, apesar de os efeitos nocivos do cigarro demorarem para dar sinais, eles costumam ser bem agressivos.

Por outro lado, quem abandona o tabaco entre os 30 e 40 anos consegue reaver até nove anos de vida. Deixar o cigarro entre os 40 e 50 anos possibilita a recuperação de até seis anos. Depois dos 65 anos, o resgate cai para cerca de quatro anos.

Para ler mais sobre a pesquisa acesse http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMsa1211128.

 

 

 

Escrito por Jairo Bouer as 22h09

O espaço de comentários do blog do Dr. Jairo Bouer pode ser moderado. Regras de uso

Gays assumidos têm menor estresse

Um estudo feito na Universidade de Montreal, no Canadá, mostrou que homossexuais que assumem sua orientação sexual são menos estressados do que os gays que continuam sem sair do armário e do que os heterossexuais. A pesquisa foi feita com 87 voluntários (homens e mulheres) ao redor dos 25 anos que responderam questionários psicológicos e se submeteram a exames de sangue, saliva e urina.

            Os testes de laboratório mediram os níveis de cortisol, um dos hormônios que se eleva em situações de estresse. Os resultados indicaram que homossexuais e bissexuais têm menos sinais de depressão e uma taxa mais baixa de cortisol do que heterossexuais. A taxa mais baixa do grupo foi entre homossexuais que assumiram para suas famílias e amigos sua orientação sexual.

Para saber mais sobre o estudo acesse http://www.psychosomaticmedicine.org/content/early/2013/01/18/PSY.0b013e3182826881.full.pdf+html.

 

 

Escrito por Jairo Bouer as 22h08

O espaço de comentários do blog do Dr. Jairo Bouer pode ser moderado. Regras de uso

 

Busca

 

O Autor

 

Dr. Jairo Bouer

Jairo Bouer é médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, com residência em psiquiatria no Instituto de Psiquiatria da USP. A partir do seu trabalho no Projeto Sexualidade do Hospital das Clínicas da USP (Prosex), passou a focar seu trabalho no estudo da sexualidade humana. Hoje é referência no Brasil, para o grande público, quando o assunto é saúde e comportamento jovem, atendendo a dúvidas através de diferentes meios de comunicação.

Sobre o blog

 

Neste espaço, Jairo Bouer publica informações atualizadas e tira dúvidas sobre saúde, sexo e comportamento.

Histórico

 



 

© 1996-2010 UOL - O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.