Blog do Dr Jairo Bouer
 

06/07/2010

Alemães descobrem causa da depressão pós-parto

            Pesquisadores do Instituto Max Planck de Ciências Humanas Cognitivas e Cerebrais, em Leipzig, na Alemanha, descobriram qual enzima é responsável pela depressão pós-parto, o que pode ajudar no tratamento da doença.

Mais de 70% das mulheres sofrem de melancolia após darem à luz. A maioria se recupera em até uma semana, mas 13% das mães evoluem para a depressão pós-parto, quando sintomas como alterações do humor, ansiedade, falta de apetite e irritabilidade persistem por alguns meses. Alguns casos são muito graves!

            Já era sabido que os níveis de estrógeno (um dos principais hormônios femininos) caíam muito após o nascimento do bebê. O que os pesquisadores mostraram é que os níveis da enzima monoaminoxidase A (MAO-A) aumentam na mesma proporção da queda do estrógeno. A MAO-A é responsável pela degradação de neurotransmissores responsáveis pelo bem-estar: serotonina, dopamina e noradrenalina. Entre as mulheres que estavam no pós-parto, ela foi encontrada em níveis 43% mais elevados do que entre mulheres que haviam tido filhos há muito tempo ou que não tinham filhos.

            Medicamentos que inibem a ação da MAO-A podem fazer com que os níveis de neurotransmissores ligados ao bem-estar voltem ao normal, sendo uma opção para o tratamento da depressão pós-parto. Essa classe de antidepressivos (inibidores da MAO ou IMAO) já existe e é utilizado para outros fins há muitas décadas. O problema é a passagem do remédio para o bebê durante a amamentação. Mais estudos são necessários!

Para ler mais sobre o estudo acesse

http://archpsyc.ama-assn.org/cgi/content/abstract/67/5/468.

Escrito por Jairo Bouer as 10h12

O espaço de comentários do blog do Dr. Jairo Bouer pode ser moderado. Regras de uso

Genética pode definir longevidade

Cientistas da Universidade de Boston, nos Estados Unidos, descobriram que as pessoas podem já estar programadas geneticamente para viver mais de 100 anos. Eles analisaram os genomas de 1.055 pessoas com mais de 100 anos e compararam com o genoma de 1.267 indivíduos mais jovens. Foram identificados marcadores genéticos que eram muito mais comuns entre as pessoas com mais de 100 anos do que no resto da população.

            Entre as pessoas mais velhas do estudo (com mais de 110 anos) esses marcadores eram ainda mais comuns. Os pesquisadores conseguiram identificar 19 grupos genéticos característicos da longevidade, que estariam envolvidos ainda com doenças ligadas à idade, como demência, hipertensão e problemas cardiovasculares.

Para ler mais sobre a pesquisa acesse http://www.sciencemag.org/cgi/content/abstract/sci;science.1190532v1?maxtoshow=&hits=10&RESULTFORMAT=&fulltext=Paola+Sebastiani&searchid=1&FIRSTINDEX=0&resourcetype=HWCIT.

Escrito por Jairo Bouer as 10h10

O espaço de comentários do blog do Dr. Jairo Bouer pode ser moderado. Regras de uso

 

Busca

 

O Autor

 

Dr. Jairo Bouer

Jairo Bouer é médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, com residência em psiquiatria no Instituto de Psiquiatria da USP. A partir do seu trabalho no Projeto Sexualidade do Hospital das Clínicas da USP (Prosex), passou a focar seu trabalho no estudo da sexualidade humana. Hoje é referência no Brasil, para o grande público, quando o assunto é saúde e comportamento jovem, atendendo a dúvidas através de diferentes meios de comunicação.

Sobre o blog

 

Neste espaço, Jairo Bouer publica informações atualizadas e tira dúvidas sobre saúde, sexo e comportamento.

Histórico

 



 

© 1996-2010 UOL - O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.