Blog do Dr Jairo Bouer
 

07/06/2010

Fumar e beber podem atuar na mesma área do cérebro

               Pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália, investigaram por que era mais difícil para alcoólatras largarem o cigarro. Por meio de análises pós-morte da expressão de genes nos cérebros de fumantes, alcoólatras e fumantes-alcoólatras, os estudiosos chegaram à conclusão de que os dois vícios podem estar ligados geneticamente numa região específica do cérebro.

            O grupo verificou que o núcleo accumbens (região do cérebro ligada à sensação de prazer) dos fumantes-alcoólatras tinha maior expressão de um conjunto de genes do que o dos fumantes ou o dos alcoólatras não-fumantes. Esses genes seriam responsáveis pelo rearranjo de neurônios nessa região – ou seja, as pessoas que fumam e bebem podem ter uma sensação de maior prazer, sendo mais difícil se livrar dos vícios.

Para ler mais sobre o estudo acesse http://www3.interscience.wiley.com/journal/123415877/abstract.

Escrito por Jairo Bouer as 15h39

O espaço de comentários do blog do Dr. Jairo Bouer pode ser moderado. Regras de uso

Cérebro de adolescente é mais confuso

Todo mundo está cansado de saber que a adolescência é um período bastante confuso, em que o humor oscila constantemente, as decisões mudam a cada 5 minutos e concentração é uma missão quase impossível. E, agora, um grupo de pesquisadores mostrou que isso é explicado cientificamente pela falta de maturidade cerebral.

Apesar de a gente nascer com todos os neurônios (não aparecem mais no meio do caminho...), eles precisam de bastante tempo para se entender uns com os outros. Novas sinapses são formadas diariamente, e isso é muito intenso na adolescência. Até o cérebro se formar completamente, a gente fica bastante vulnerável a distrações e, principalmente, a substâncias que agem no sistema nervoso central.

Uma pesquisa feita na University College London, na Inglaterra, mostrou que jovens até 20 anos têm o cérebro mais confuso e com maior tendência a distrações do que adultos. Foram avaliados 178 participantes de 7 a 27 anos, que precisavam indicar formas de letras que apareciam em uma tela, alternando momentos com ou sem outras distrações. A capacidade cognitiva de todos era semelhante, mas com a idade foi constatada melhora na concentração. Os jovens tinham mais dificuldade que os adultos quando havia distrações, e prestavam mais atenção nos objetos que estavam foram da atividade central.

Segundo os estudiosos, até 18,8 anos os jovens têm mais dificuldades para se concentrar, o que melhora com o tempo, ficando mais estável perto dos 20 anos. Até essa idade, a atividade no córtex pré-frontal (área responsável pela tomada de decisões) ainda é caótica, mostrando mais dificuldade e confusão entre os adolescentes.

Para ler mais sobre a pesquisa acesse

http://www.jneurosci.org/cgi/content/abstract/30/22/7664

Escrito por Jairo Bouer as 15h36

O espaço de comentários do blog do Dr. Jairo Bouer pode ser moderado. Regras de uso

 

Busca

 

O Autor

 

Dr. Jairo Bouer

Jairo Bouer é médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, com residência em psiquiatria no Instituto de Psiquiatria da USP. A partir do seu trabalho no Projeto Sexualidade do Hospital das Clínicas da USP (Prosex), passou a focar seu trabalho no estudo da sexualidade humana. Hoje é referência no Brasil, para o grande público, quando o assunto é saúde e comportamento jovem, atendendo a dúvidas através de diferentes meios de comunicação.

Sobre o blog

 

Neste espaço, Jairo Bouer publica informações atualizadas e tira dúvidas sobre saúde, sexo e comportamento.

Histórico

 



 

© 1996-2010 UOL - O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados.